Seu site é responsivo?

Seu site é responsivo?

Os dispositivos móveis são os mais novos reis da conexão. De acordo com as estimativas da Pnad, em 2013, cerca de 130 milhões de brasileiros tinham celular para uso pessoal, um aumento de 49,4% comparado a 2008. Já os tablets, apresentaram um aumento de 10,8% no mesmo período, marcando presença em 7,1 milhões de lares no país.

A pesquisa apontou ainda que mais de 85 milhões de brasileiros afirmaram ter acessado a internet pelo menos uma vez nos três meses que antecederam a entrevista. Desse total, menos da metade (45,3%) acessou a rede via computador, uma queda de 1,2% comparado com 2011.

Com o crescimento do mobile não só no Brasil, mas em todo o mundo, em abril deste ano, o Google alterou seus rankings para que os sites não responsivos fossem cada vez menos exibidos em suas buscas. Mas o que é afinal um site responsivo? Um site responsivo é flexível e se adequa à plataforma móvel, apresentando layout e conteúdo próprio para o ambiente.

what_mobile-friendly_looks_like (1)

Fonte da imagem: Google

Se antes o cartão de visitas era a marca da empresa que cabia na palma da mão, hoje podemos considerar que o site disputa a mesma função. É no endereço eletrônico que ficarão expostos a marca, a identidade, os valores, produtos, serviços e outras informações importantes. No meio web, este deve ser um dos primeiros contatos e canais aberto com o usuário.

E se a primeira impressão é a que fica, mantenha-se atento para que seu site seja bem visto tanto pelo Google quanto pelo seu cliente:

  • Verifique se o seu site está adequado ao formato mobile. Não basta que o endereço abra no navegador: o layout deve estar adequado, as fontes devem ser legíveis e as páginas de fácil navegação.
  • Tenha um layout atrativo, agradável e correspondente com seu público-alvo.
  • Ofereça conteúdo relevante em sua página. As informações devem ser corretas, claras e com linguagem adequada ao leitor. Muito cuidado com os erros de português e fontes de outros sites!
  • Garanta que seus links e formulários estejam funcionando corretamente. Lembre-se ainda que os canais de contato devem estar abertos e prontos para dialogar com os usuários.

Se não é o mais forte e sim o mais adaptável que sobrevive, não deixe de evoluir. É bom para o usuário e bom para os os negócios: de acordo com o site Info, 74% das pessoas estão mais propensas a voltar para um site se ele for mobile-friendly!

 

Memória: um presente para as organizações

Memória: um presente para as organizações

Se empresas são feitas de pessoas, suas histórias também possuem presente, passado e futuro. Por isso, a biografia de uma organização se funde com a trajetória de seus clientes, colaboradores e da sociedade como um todo. E assim como nos identificamos ao folhear as fotos de um álbum de infância, uma empresa encontra sua memória em colaboradores, documentos, objetos, paredes.

Mas, se o tempo chega para todos, como é possível construir uma empresa para ficar na história? Mudanças do ambiente externo e interno estão frequentemente alterando a rota dos negócios. Além das transformações do dia a dia, trocas na alta direção, fusões, mudanças de espaço físico e até mesmo o turn over são processos que podem aumentar o risco de que o mais importante seja esquecido.

Para garantir que os valores da empresa sejam preservados, é preciso respeitar o passado e considerar o presente como estratégia para garantir o futuro.  Além disso, o DNA deve ser perpetuado em cada decisão e ação para que o propósito da empresa se torne um elemento vivo no cotidiano daqueles que se relacionam com ela.

O primeiro passo, então consiste em reunir, organizar, identificar e conservar documentos, objetos, notícias da imprensa, peças gráficas, produtos, fotos, propagandas, projetos e relatos de colaboradores. Mas o trabalho não para por aí. A empresa só será lembrada se compartilhar conhecimento, transformando dados históricos em informações relevantes.

Desse processo, nascem os livros, exposições, pesquisas, relatórios, estratégias, surge a reputação e envolvimento com os públicos. Essa é uma construção em que todos saem ganhando. A sociedade porque se torna completa com a história das organizações e as organizações porque se completam ao fazer parte da história da sociedade.

 

 

Comunicação não faz milagre

Comunicação não faz milagre

Muitas empresas esperam encontrar uma lâmpada mágica para que o gênio da comunicação lhes conceda três desejos: aumentar as vendas, tornar a marca reconhecida e engajar colaboradores. Basta dizer “seu pedido é uma ordem” e tudo resolvido.

Mas a má notícia é que não existem milagres nessa história. Fórmulas prontas e caminhos fáceis são atalhos perigosos quando o assunto é comunicar.  Nessa matemática, é preciso encontrar as próprias incógnitas e desenvolver as equações lembrando de somar o trabalho em equipe, dividir experiências, multiplicar envolvimento e diminuir distâncias.

Sem tanta teoria: para que uma marca seja reconhecida pela imprensa e pelo mercado, seu produto ou serviço precisa ter um conteúdo de interesse público, contando com um diferencial. Para o consumidor, é preciso oferecer qualidade e preço, além de agregar à sua experiência de compra. Já para o colaborador, não há engajamento e reconhecimento, sem uma liderança comprometida, condições de trabalho adequadas e salários compatíveis.

Atribuir todos esses resultados apenas às ações de comunicação de curto ou médio prazo é esperar por um passe de mágica. E isso não quer dizer que a área não está aqui para resolver problemas. Muito pelo contrário: ela é parte essencial de todo o processo. Com esse olhar, a boa notícia é que a comunicação depende de muita estratégia, muita pesquisa e muito trabalho e por isso, torna-se responsável junto a outras áreas por trazer importantes resultados. Por isso, a grande oportunidade não é encontrar a lâmpada e sim criar soluções que, com planejamento e criatividade, vão atender a muito mais que três que pedidos.

 

 

Em mares de águas transparentes

Em mares de águas transparentes

Que estamos em um mercado cada vez mais competitivo, isso todo mundo já sabe. Ser criativo, inovador, diferente, encantador já não é mais um diferencial. É requisito básico para sobreviver em uma rede de opções oferecidas ao consumidor.

A recente polêmica envolvendo marca Hollister nos faz pensar sobre a premissa de transparência, que se solidifica como uma forte estratégia de comunicação. Na tentativa de construir uma imagem de conto de fadas, a marca criou uma história da sua origem que não é real. A versão fictícia, embora mais elaborada que a original, não é verdadeira. E isso conta muitos pontos quando o assunto é reputação. O acontecimento pode não trazer impacto direto nas vendas dos produtos, mas mostra que muitas empresas vão contra a maré quando o assunto é sinceridade. E se isso não incomodar os clientes, incomoda no mínimo, muita gente.

Os mais conservadores ainda têm medo de se expor de forma nua e crua. Os mais ousados, já usam a transparência a seu favor e começam a ganhar a credibilidade dos clientes. Com um nome sugestivo, a Honest By informa com detalhes toda sua cadeia produtiva, desde fornecedores a preços. O mesmo acontece com a brasileira, Apartamento 61, que nasceu da necessidade de encontrar móveis usados com valores justos. Hoje, o site trabalha informando o lucro final dos seus produtos. Já Toms Shoes doa um sapato para países necessitados todas as vezes que você faz uma compra e declara essas ações.

Essas são algumas marcas que provam que falar a verdade ainda é o melhor caminho. Ser ético, respeitoso e transparente é muito mais bonito do que só parecer bonito. Por isso, a nova ordem nada mais tem a ver com a estratégia do oceano azul. A regra agora é navegar em águas bem transparentes. Quem sair dessa rota, corre sérios riscos de afundar.

Em tempos de crise, CRIE!

Em tempos de crise, CRIE!

A área de comunicação está entre as mais criativas de uma empresa. Mas quando a recessão chega, é uma das primeiras lâmpadas a ser apagada para diminuir custos. Nesse movimento, o grande problema é que outra saída para a crise, é buscar o aumento da receita. Por isso, em um mercado retraído, com consumidores receosos, é preciso brilhar. Para reverter o cenário pessimista e aumentar as vendas, a estratégia é apostar em novidades que se propagem na velocidade da luz.

O que fazer para achar a luz no fim do túnel:

– Não deixe aquilo que você tem de melhor passar em branco. Destaque seus diferenciais, comunique seu potencial e espalhe as novidades. Assim sua reputação cresce e sua marca se fortalece.

– Seja diferente ao se relacionar com seus clientes. Empresas que não são criativas, acabam passando despercebidas na maré da turbulência. Mas se você conseguir surpreender e encantar um consumidor nessa época, tem boas chances de fidelizá-lo.

– Invista nas campanhas, promoções e descontos para chamar a atenção do mercado.

– Aposte na comunicação que fale direto com o seu público. Avalie os melhores canais, conteúdos e linguagens para que sua mensagem chegue efetivamente ao destino certo.

– Mantenha contato constante com os clientes e prospects. E-mails, visitas e redes sociais são bons meios para estabelecer um diálogo direto e rápido com o público.

Lembre-se: Se você fortalecer sua marca em momentos de crise, dificilmente ela será esquecida quando o mercado esquentar.

O trabalho da SempreMais Comunicação sempre me surpreende pela profundidade e excelência de todas suas entregas. Todos  os  trabalhos são  realizados a tempo, com uma dedicação incrível e um profissionalismo único. É uma parceria que está contribuindo muito ao crescimento da Rede Ubuntu no Paraná.

José Sarria, Rede Ubuntu.

O trabalho é excelente, o material costuma vir sempre bem dentro do briefing (evitando retrabalho de correções), com a nossa linguagem e dentro do prazo. O atendimento é impecável, o que facilita muito a interface no dia a dia tanto com a equipe de Comunicação quanto no contato com as áreas envolvidas nos projetos.

Anne Maezuka, Endomarketing da GVT

Desde o primeiro dia de prestação de serviços, a SempreMais acertou em cheio na proposta se trabalho da nossa empresa. Com muita criatividade, conhecimento, parceria e flexibilidade oficializamos informações e novidades aos nossos colaboradores e estendemos para nossas casas e famílias alguns momentos do dia a dia.

Débora Stratmann, Gente e Gestão da Tezza

Relacionamento com a imprensa – Restaurante Limoeiro

Relacionamento com a imprensa – Restaurante Limoeiro

Assessoria de Imprensa

Iniciativa: Fortalecer imagem da marca, por meio da construção de imagem e relacionamento com a mídia.

Atividades: Planejamento de pautas, produção de releases, divulgação, follow up com jornalista, monitoramento da mídia.

Relacionamento com a imprensa – Rede Ubuntu

Relacionamento com a imprensa – Rede Ubuntu

Assessoria de Imprensa

Iniciativa: Fortalecer imagem da marca, por meio da construção de imagem e relacionamento com a mídia.

Atividades: Planejamento de pautas, produção de releases, divulgação, follow up com jornalista, monitoramento da mídia.